Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Deficiência auditiva

Informações sobre o autor

 
Nível
Para todos
Estudo seguido
biologia
Faculdade
Faculdade...

Informações do trabalho

Victor Fernandes Do Nascimento M.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
10 páginas
Nível
Para todos
Consultado
252 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Significado de termos
  2. Tipo de deficiências auditivas
  3. Graus de severidade da deficiência auditiva
  4. Causas da deficiência auditiva sensório-neural

A deficiência auditiva é considerada genericamente como a diferença existente entre a performance do indivíduo e a habilidade normal para a detecção sonora de acordo com padrões estabelecidos pela American National Standards Institute. Zero audiométrico refere-se aos valores de níveis de audição que correspondem à média de detecção de sons em várias freqüências, por exemplo: 500 Hz, 1000 Hz, 2000 Hz, etc. Considera-se, em geral, que a audição normal corresponde à habilidade para detecção de sons até 20 dB N.A (decibéis, nível de audição).Estima-se que 42 milhões de pessoas acima de 3 anos de idade são portadoras de algum tipo de deficiência auditiva, de moderada a profunda . Há expectativa que o número de perdas auditivas na população mundial chegue a 57 milhões no ano 2000.
Aproximadamente 0,1% das crianças nascem com deficiência auditiva severa e profunda. Este tipo de deficiência auditiva é suficientemente severa para impedir a aquisição normal da linguagem através do sentido da audição. Mais de 4% das crianças consideradas de alto risco são diagnosticadas como portadoras de deficiência auditiva de graus moderado a profundo.
Aproximadamente 90% das crianças portadoras de deficiência auditiva de graus severo e profundo são filhos de pais ouvintes

[...] Em geral a primeira suspeita quanto à existência de uma alteração auditiva em crianças muito pequenas é feita pela própria família a partir da observação da ausência de reações a sons, comportamento diferente do usual criança que é muito quieta, dorme muito e em qualquer ambiente, não se assusta com sons intensos) um pouco mais velha, não desenvolve linguagem. A busca pelo diagnóstico também poderá ser originada a partir dos programas de prevenção das deficiências auditivas na infância como o registro de fatores de risco e triagens auditivas. [...]


[...] Vacinação: A Rubéola, pela sua alta incidência na causa de deficiência auditiva ( 70% tem sido em nosso ainda extremamente elevada, apesar da vacinação ser simples e altamente eficaz. A vacina pode ser encontrada de Postos de Saúde Pública, Hospitais e Clínicas Particulares. Toda mulher antes de conceber, deveria estar vacinada no mínimo contra a Rubéola. É certamente o primeiro gesto de amor ao filho que vai nascer. Medicamentos em Gestantes: Inúmeros medicamentos são Ototóxicos, isto é, agridem a formação do sistema auditivo do feto, podendo causar ou contribuir para uma surdez ou deficiência. [...]


[...] Este tipo de deficiência auditiva é irreversível. DEFICIÊNCIA AUDITIVA MISTA: Ocorre quando há uma alteração na condução do som até o órgão terminal sensorial associada à lesão do órgão sensorial ou do nervo auditivo. O audiograma mostra geralmente limiares de condução óssea abaixo dos níveis normais, embora com comprometimento menos intenso do que nos limiares de condução aérea. DEFICIÊNCIA AUDITIVA CENTRAL, DISFUNÇÃO AUDITIVA CENTRAL OU SURDEZ CENTRAL: Este tipo de deficiência auditiva não é, necessariamente, acompanhado de diminuição da sensitividade auditiva, mas manifesta-se por diferentes graus de dificuldade na compreensão das informações sonoras. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Defiências sensoriais

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Estudo   |  27/09/2006   |  BR   |   .doc   |   12 páginas

A Deficiência auditiva na sociedade

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Monografia   |  30/07/2007   |  BR   |   .doc   |   24 páginas

Mais Vendidos biologia

Sistema cardiovascular

 Biologia e medicina   |  Biologia   |  Estudo   |  01/09/2006   |  BR   |   .doc   |   14 páginas