Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Comunicação e enfermagem

Informações sobre o autor

Estagiando na Santa Casa Dona Carolina Malheiros
Nível
Especializado
Estudo seguido
Técnico de...

Informações do trabalho

Carlos César D.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
.ppt
Tipo
dissertação
Número de páginas
17 diapositivo
Nível
Especializado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Introdução
  2. Comunicação na enfermagem
    1. Quando?
    2. Como?
    3. O que deve ser comunicado?
  3. Comunicação escrita entre os membros da equipe de enfermagem
    1. Troca de plantão
  4. Comunicação por telefone
  5. Procedimentos
    1. Anotação de enfermagem
    2. Material utilizado
    3. Como proceder

Comunicar-se é uma necessidade humana básica semelhante a respirar ou beber água. Nós nos comunicamos a todo momento e de diferentes formas. A comunicação pode ser verbal ou não verbal e ambas são funda­mentais para a sobrevivência em um ambiente hostil. A verbal é consciente e utiliza a palavra escrita ou falada como ferramenta. A não verbal faz uso de expressões faciais, gestos, tom de voz, movimentos, etc., muitas vezes de forma inconsciente. Para que o processo de comunicação seja efetivo e satisfatório é preciso utilizar os tipos de comunicação de forma integrada.

[...] Antes de iniciar o registro, deve-se verificar se todos os impressos que compõem o prontuário estão com a identificação completa no cabeçalho (nome completo do cliente, número de registro hospitalar, etc.). Devem ser evitadas expressões vagas como "sem queixas", "sem alterações"; apesar de não haver nada de errado com elas, podem provocar falhas na comunicação. Comunicação verbal entre os membros da equipe de enfermagem TROCA DE PLANTÃO Ao final de cada período de plantão, a equipe de enfermagem deve relatar verbalmente as ocorrências com cada cliente para a equipe que esta assumindo, visando à integração e a continuidade na assistência. [...]


[...] Não promover conversas paralelas; Iniciar o relato pelo nome do cliente, quarto ou leito, e diagnóstico. Relatar procedimentos diagnósticos realizados naquele dia, queixas do cliente e condutas adotadas, bem como fatos relevantes e ocorrências. Não verbalizar as impressões sobre determinado caso na presença do cliente. Controlar as expressões faciais em relação ao quadro que o cliente apresenta. Por exemplo: grandes curativos, queimaduras, etc. Oferecer à equipe que esta iniciando o plantão a oportunidade de esclarecer as dúvidas. Fazer relatos breves e concisos. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Comunicação terapêutica

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Monografia   |  25/09/2006   |  BR   |   .doc   |   16 páginas

A comunicação e o paciente da unidade de terapia intensiva: uma revisão da literatura

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Monografia   |  18/07/2007   |  BR   |   .doc   |   32 páginas

Mais Vendidos enfermagem

Sistema cardiovascular

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Palestra   |  13/10/2006   |  BR   |   .ppt   |   56 páginas

Doenças microbianas do sistema cardiovascular e linfático

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Palestra   |  02/10/2006   |  BR   |   .ppt   |   72 páginas