Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Sistema renal e suas patologias

Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado
Estudo seguido
enfermagem
Faculdade
centro...

Informações do trabalho

Maurycio J.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
12 páginas
Nível
avançado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Sistema renal
  2. Doenças renais
  3. Glomerulonefrite de lesão mínima (GNLM), ou ?nil Disease?
  4. Esclerose focaL (EF)
  5. GN Membranosa
  6. GN Membranosa proliferativa (GNMP)
  7. Glomerulonefrite rapidamente progressiva -GNRP
  8. Glomerulonefrite por IgA
  9. GN pós-estreptocócica (GNPE)
  10. Disfunção tubular renal
  11. Hiperlipidemia e doença cardiovascular
  12. Glomerulopatias hereditárias

O sistema renal é regulado pelo Fluxo Sanguíneo Renal que quando penetra na Cápsula de Bowman é transformado em Filtrado Glomerular (proteínas e eletrólitos).
O Débito cardíaco médio normal é de 5 l/min gerando 7200 l/dia. Desses, 20% (1440 l) passam pelos rins gerando uma quantidade de filtrado glomerular de 180 l/dia, dos quais 178 l/dia são reabsorvidos e 2 l/dia formam urina.
A circulação extracorpórea é um agente capaz de produzir alterações na função do sistema renal e no equilíbrio dos líquidos e dos eletrólitos do organismo. Os rins são fundamentais na regulação do meio interno, em que estão imersas as células de todos os órgãos. Os rins desempenham duas funções primordiais no organismo: 1. eliminação de produtos terminais do metabolismo orgânico, como uréia, creatinina e ácido úrico e, 2. controle das concentrações da água e da maioria dos constituintes dos líquidos do organismo, tais como sódio, potássio,cloro, bicarbonato e fosfatos. Os principais mecanismos através os quais os rins exercem as suas funções são a filtração glomerular, a reabsorção tubular e a excreção tubular de diversas substâncias. O sistema urinário, encarregado da produção, coleta e eliminação da urina está localizado no espaço etroperitonial, de cada lado da coluna vertebral dorso lombar. É constituído pelos rins direito esquerdo, a pelve renal, que recebe os coletores de urina do parênquima renal, ureteres, a bexiga e a uretra.
O sangue chega ao rim através da artéria renal, que se ramifica muito no interior do órgão, originando grande número de arteríolas aferentes, onde cada uma ramifica-se no interior da cápsula de Bowman do néfron, formando um enovelado de capilares denominado glomérulo de Malpighi.
O sangue arterial é conduzido sob alta pressão nos capilares do glomérulo. Essa pressão, que normalmente é de 70 a 80 mmHg, tem intensidade suficiente para que parte do plasma passe para a cápsula de Bowman, processo denominado filtração. Essas substâncias extravasadas para a cápsula de Bowman constituem o filtrado glomerular, queé semelhante, em composição química, ao plasma sanguíneo, com a diferença de que não possui proteínas, incapazes de atravessar os capilares glomerulares. O filtrado glomerular passa em seguida para o túbulo contorcido proximal, cuja parede é formada por células adaptadas ao transporte ativo. Nesse túbulo, ocorre reabsorção ativa de sódio. A saída desses íons provoca a remoção de cloro, fazendo com que a concentração do líquido dentro desse tubo fique menor (hipotônico) do que do plasma dos capilares que o envolvem. Com isso, quando o líquido percorre o ramo descendente da alça de Henle, há passagem de água por osmose do líquido tubular (hipotônico) para os capilares sangüíneos (hipertônicos) ? ao que chamamos reabsorção. O ramo descendente percorre regiões do rim com gradientes crescentes de concentração. Conseqüentemente, ele perde ainda mais água para os tecidos, de forma que, na curvatura da alça de Henle, a concentração do líquido tubular é alta. Esse líquido muito concentrado passa então a percorrer o ramo ascendente da alça de Henle, que é formado por células impermeáveis à água e que estão adaptadas ao transporte ativo de sais. Nessa região, ocorre remoção ativa de sódio, ficando o líquido tubular hipotônico. Ao passar pelo túbulo contorcido distal, que é permeável à água, ocorre reabsorção por osmose para os capilares sangüíneos. Ao sair do néfron, a urina entra nos dutos coletores, onde ocorre a reabsorção final de água.
Dessa forma, estima-se que em 24 horas são filtrados cerca de 180 litros de fluido do plasma; porém são formados apenas 1 a 2 litros de urina por dia, o que significa que aproximadamente 99% do filtrado glomerular é reabsorvido.
Além desses processos gerais descritos, ocorre, ao longo dos túbulos renais, reabsorção ativa de aminoácidos e glicose. Desse modo, no final do túbulo distal, essas substâncias já não são mais encontradas. A regulação da função renal relaciona-se basicamente com a regulação da quantidade de líquidos do corpo. Havendo necessidade de reter água no interior do corpo, a urina fica mais concentrada, em função da maior reabsorção de água; havendo excesso de água no corpo, a urina fica menos concentrada, em função da menor reabsorção de água.

[...] Possibilidade alternativa seria a formação de complexo AgAc in situ, com um componente do estreptococo localizado no rim, desencadeando a migração do anticorpo e a formação do complexo, com a conseqüente ativação da cascata de complemento. Admite-se hoje ser possível a associação de mais um dos mecanismos propostos. Tratamento: O tratamento das GNPEs não-complicadas pode ser efetuado em caráter domiciliar, apenas requerendo hospitalização aqueles pacientes com significativa redução da função renal, com oligúria e retenção de escórias, hipertensão arterial grave, principalmente se acompanhada de encefalopatia hipertensiva, edema acentuado e/ou congestão pulmonar. [...]


[...] Em 30 a 50% dos enfermos existe hipertensão arterial e metade dos pacientes possuem hematúria microscópica. O complemento está normal. No diagnóstico dos casos já apresentam déficit de função renal. Na microscopia óptica observa-se esclerose segmentar de alguns glomérulos ou mesmo glomérulos totalmente esclerosados. A imunofluorescência mostra depósitos de IgM e C3. A evolução da GESF não tratada consiste em proteinúria e perda da função renal progressivamente. Em 5 a 20 anos a maioria dos pacientes desenvolve insuficiência renal crônica terminal. [...]


[...] 10-Glomerulopatias hereditárias Síndrome de Alport A síndrome de Alport é uma doença genética caracterizada por provocar a perda progressiva da função renal e auditiva.Também pode afectar o sistema visual. A presença de sangue na urina (hematúria) é quase sempre encontrada nesta condição.Foi identificada pela primeira vez numa família inglesa, por Cecil Alport, em 1927.Esta síndrome é causada por mutações nos genes COL4A3, COL4A4 e COL4A5, responsáveis pela síntese do colagénio. Mutações em qualquer destes genes impedem que a rede de colagénio tipo IV seja produzida. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Percepções de pacientes em hemodiálise a respeito do autocuidado

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Monografia   |  30/10/2008   |  BR   |   .doc   |   24 páginas

Mais Vendidos enfermagem

Sistema cardiovascular

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Palestra   |  13/10/2006   |  BR   |   .ppt   |   56 páginas

Doenças microbianas do sistema cardiovascular e linfático

 Biologia e medicina   |  Enfermagem   |  Palestra   |  02/10/2006   |  BR   |   .ppt   |   72 páginas