Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Relação anticorpo - antígeno

Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado
Estudo seguido
medicina
Faculdade
UFMG

Informações do trabalho

Fernanda A.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
.ppt
Tipo
dissertação
Número de páginas
132 diapositivo
Nível
avançado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
1 Avaliaçao cliente
3
escrever um comentário
  1. Relação anticorpo - antígeno

IntroduçãoAnticorpos são proteínas solúveis que pertencem à classe das globulinas, devido a sua estrutura globular. Os antígenos são todas as partículas ou moléculas que podem iniciar uma resposta imune. A presença de antígenos pode estimula resposta imune através de dois tipos celulares: linfócitos T e B. Anticorpos e diversidade de células BAnticorposProteínas solúveis que pertencem à classe das globulinas, devido a sua estrutura globular (Imunoglobulinas). ? Ativação de células B Antes de encontrar o antígeno, uma célula B madura expressa a imunoglobulina na superfície de membrana, atuando como um receptor de célula B (BCR). Quando o antígeno se liga a esse receptor, a célula recebe um estímulo para sua proliferação e diferenciação em plasmócitos. Os plasmócitos compreendem um estado maduro e ativo das células B, capazes de secretarem anticorpos com a mesma especificidade. Base estrutural dos anticorposUma parte da molécula é variável, onde a seqüência de aminoácidos difere muito de um anticorpo para outro. Esta diferença se concentra na região N-terminal de cada cadeia (H e L). A parte constante é menos específica e interage com outros componentes do sistema imune. Na porção variável encontra-se o local de ligação ao antígeno, conferindo uma especificidade ao anticorpo. O sítio de ligação ao antígeno é formado pelas regiões variáveis pareadas de uma cadeia leve e uma pesada. Portanto, cada molécula de Ac possui dois sítios de ligação idênticos. Sítio de ligação ao antígeno O sítio de ligação é formado por regiões hipervariáveis nas cadeias leves e pesadas. As alças hipervariáveis também são conhecidas como regiões determinantes de complementaridade (CDRs), pois fornece um sítio de ligação que é complementar à do antígeno. A parte do antígeno (Ag) que se liga ao anticorpo é denominada determinante antigênico ou epítopo (carboidratos, proteínas ou glicoproteínas). Antígeno multivalente: apresenta mais de um epítopo. Sítio de ligação ao antígeno A ligação do antígeno com o anticorpo é baseada somente por ligações não covalentes, como pontes de hidrogênio, Van der waals, força eletrostática. Os sítios de ligação, normalmente, são ricos em aminoácidos aromáticos, que conferem uma maior estabilidade.

[...] secretados superfície celular Receptores de linfócitos Especificidade do anticorpo Especificidade x atividade biológica Funções dos anticorpos Neutralização Aglutinação Opsonização Ativação do sistema complemento Neutralização de vírus IgG e IgA NEUTRALIZAÇÃO de VÍRUS Neutralização de toxinas IgG Aglutinação IgM Opsonização IgG e IgM Receptores para Ac e C IgG Ac mais abundante no sangue Liga-se a 2 epítopos simultaneamente Ativa o sistema complemento Atravessa a placenta Opsonina Neutraliza toxinas Neutraliza vírus IgM Primeiro Ac a ser produzido na resposta imune. Pentamérica e pentavalente Cadeia J Ativa complemento Encontrada na superfície da célula B Sintetizada a partir do 5º mês de vida fetal Não neutraliza vírus ou toxinas IgA Presente nas secreções Saliva, muco, suco gástrico, lágrima, colostro e leite IgA sérica e IgA secretora cadeia J Neutraliza vírus IgE Baixa quantidade no sangue Liga-se com alta afinidade na superfície de basófilos e mastócitos Proteção contra vermes Alergias IgD Presente no sangue em quantidades muito pequenas Presente na superfície de células B maduras Cinética da resposta imune Síntese da cadeia leve Região constante e variável e Região variável é codificada por dois genes: V e J V + J + cadeia leve Síntese da cadeia leve kappa Síntese da cadeia leve kappa Organização gênica da cadeia lambda Organização gênica da cadeia pesada Síntese da cadeia pesada Maturação de linfócitos B Ontogenia das células B Células Tronco Hematopoiéticas Células Pró-B: Início do rearranjo gênico das cadeias pesadas. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Mecanismos da alergia

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  27/08/2006   |  BR   |   .doc   |   24 páginas

As formas clínicas da toxoplasmose

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  02/01/2007   |  BR   |   .doc   |   23 páginas

Mais Vendidos medicina

Trabalho sobre educação física e a importância do esporte no ensino

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  15/05/2007   |  BR   |   .doc   |   16 páginas

Gestação múltipla

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Dissertação   |  21/11/2007   |  BR   |   .doc   |   21 páginas