Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Epilepsias

Informações sobre o autor

 
Nível
Especializado
Estudo seguido
medicina
Faculdade
ITPAC

Informações do trabalho

Frederico L.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
.ppt
Tipo
estudo
Número de páginas
46 diapositivo
Nível
Especializado
Consultado
179 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Conceito
  2. Classificação
    1. Crises parciais
    2. Crises generalizadas
  3. Alterações fisiológicas
  4. Etiologia por faixa etária
    1. Neonato a 3 anos
    2. 3 anos a 20 anos
    3. 20 anos a 60 anos
    4. Acima dos 60 anos
  5. Tipo de crise por faixa etária
  6. Fatores de risco
  7. Etiologia: Metabólica
  8. Característica clínica e localização
    1. Crises de Lobo Frontal
    2. Crises de Lobo Parietal
    3. Crises de Lobo Temporal
    4. Crises de Lobo Occipital
  9. Eletroencefalograma (EEG)
  10. Neuroimagem
  11. Exames laboratoriais
  12. Tipos de crise e particularidades
  13. Manifestações das crises
  14. Crises sintomáticas agudas
  15. Convulsão isolada
  16. Tratamento
  17. Posologia
  18. Protocolo para Tratamento do Estado Epilético Tônico-Clônico Generalizado
  19. Conclusões
  20. Bibliografia

Muitos comportamentos são referidos como convulsões, mas a definição de uma convulsão deveria ser restringida. As convulsões são produzidas por: Sincronização anormal de neurônios corticais que resulta em uma mudança na percepção ou no comportamento. Entre 7 e 10% da população irá ter uma convulsão em algum ponto de suas vidas.

[...] neurônios corticais que resulta em uma mudança na percepção ou no comportamento. Entre 7 e 10% da população irá ter uma convulsão em algum ponto de suas vidas. CONCEITO Epilepsia é a condição de convulsões recorrentes causadas por uma anormalidade cerebral inerente. A anormalidade de base pode resultar de inúmeras etiologias: Fatores hereditários; Distúrbios do desenvolvimento; Lesão perinatal; Infecção; Trauma; Infarto ou neoplasia. Entre 0,5 e da população tem epilepsia. Classificação I. Crises parciais A. Crises parciais simples (sem alteração.da consciência) B. [...]


[...] Manifestações das crises As manifestações das crises parciais dependem da área envolvida do cérebro. Freqüentemente, as crises parciais simples são referidas como auras, que podem consistir de uma sensação anormal (cheiros; luzes piscando; sintomas somato-sensoriais; etc.) ou fenômenos experienciais (déjà-vu,alucinações bem-formadas). Se a crise estiver restrita a uma pequena área do córtex motor, existirá atividade focal clônica associada. Com o propagamento da atividade epiléptica, a pessoa pode desenvolver alterações na consciência e uma crise parcial complexa. Manifestações das crises As crises parciais complexas são caracterizadas por: Responsividade anormal ao ambiente; Automatismo; Características autonômicas (dilatação pupilar, salivação) e amnésia para a crise. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Epilepsia Infantil e sua relação com a memória operacional

 Direito e contrato   |  Outro   |  Estudo   |  21/03/2007   |  BR   |   .doc   |   22 páginas

CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA E DIAGNÓSTICO DAS EPILEPSIAS

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo de caso   |  10/08/2007   |  BR   |   .ppt   |   48 páginas

Mais Vendidos medicina

Trabalho sobre educação física e a importância do esporte no ensino

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  15/05/2007   |  BR   |   .doc   |   16 páginas

Gestação múltipla

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Dissertação   |  21/11/2007   |  BR   |   .doc   |   21 páginas