Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Parasitóse intestinal

Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado

Informações do trabalho

Adriana S.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
11 páginas
Nível
avançado
Consultado
297 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Prevalência de enteroparasitose em relação ao sexo
  2. Prevalência de enteroparasitose em relação a faixa etária
  3. Distribuição de enteroparasitas nas amostras estudadas
  4. Parasitas
  5. Ancilostomídeo
  6. Enterobios vermiculares
  7. Schistossoma mansoni
  8. Entamoeba coli

As enteroparasitoses ainda apresentam, em pleno século XXI, cifras alarmantes, apesar das enormes transformações sofridas por toda a civilização humana e da espetacular evolução das ciências da saúde, nos últimos tempos. Procurou-se efetuar neste trabalho, o levantamento estatístico de incidências de enteroparasitoses nos pacientes do Laboratório Central de Análises Ltda, através da pesquisa das diferentes formas parasitárias que são eliminados nas fezes através da técnica Lutz/Hoffmann, Pons e Janer. Relacionando as amostras positivas e negativas, as amostras monoparasitadas e poliparasitadas, a freqüência dos helmintos e protozoários encontrados nas amostras positivas, idade e o sexo.

As parasitoses, apesar de todo o avanço científico e tecnológico atual, são ainda um dos principais problemas de saúde, ocupando um lugar de destaque entre as doenças infecciosas por sua alta prevalência e incidência na população mundial. São considerados importantes objetos de estudo, principalmente em países em desenvolvimentos, nos quais ainda são observadas condições precárias de higiene, saneamento e nutrição, associada à baixa qualidade de vida da população.
Parasitoses intestinais são infecções do intestino causadas por protozoários ou helmintos. Sendo comuns nas regiões tropicais e subtropicais, se apresentam como uma das enfermidades de maior prevalência no Brasil.
Os constantes deslocamentos humanos internos geram um sério problema sanitário na epidemiologia das doenças parasitárias, favorecendo as infecções que vão se disseminando, cada vez mais, em função deste fenômeno. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, os helmintos e protozoários intestinais são responsáveis pela infecção de um em quatro habitantes do mundo. As parasitoses, pelos efeitos nocivos que acarretam ao desenvolvimento físico e mental podem provocar o agravamento do estado de nutrição, resultando na debilidade do organismo e no retardamento do desenvolvimento intelectual. Isto acarreta alto índice de mortalidade, obsenteísmo e passividade diante da vida. Pela forma negativa que incidem sobre a economia de um país, constituem um importante problema de ordem sanitária e social.
Existem relatos da convivência milenar dos indivíduos com as parasitoses, de uma forma natural. Hoje, com o avanço das ciências, torna-se cada vez mais possível o diagnóstico e a intervenção nos processos infecciosos, para a melhoria e promoção do bem viver. E, para que isto aconteça, torna-se necessário o conhecimento, a divulgação, a vontade política e a efetiva priorização das atividades de saúde.

[...] A enterobíase, enterobiose ou oxiurose é a verminose intestinal devida ao Enterobius vermiculares, pequeno nematóide da ordem Oxyuroidea, mais conhecida como oxiúro. A infecção costuma ser benigna, mas incômoda, pelo intenso prurido anal que produz e por suas complicações, sobretudo em crianças (REY, 1992). O Enterobius vermiculares disputa com os áscaris o primeiro lugar entre as endemias parasitárias por sua alta freqüência e larga distribuição geográfica, entretanto, distingue-se das outras parasitoses por sua maior prevalência nas regiões de clima temperado. [...]


[...] Sendo o ovo extremamente resistente aos desinfetantes usuais ao peridomicílio funcionando como focos de ovos infectantes, as medidas que tem efeito definitivo são: educação sanitária; construção de fossas sépticas; lavar as mãos antes de tocar os alimentos; tratamento em massa da população periodicamente, durante 3 anos consecutivos; proteção dos alimentos contra insetos. A terapêutica da ascaridíase, como também das demais parasitoses intestinais, requer além do medicamento específico, cuidados especiais na alimentação, representada por uma dieta rica e de fácil absorção.Isto porque em geral o organismo do paciente está debilitado e a mucosaintestinal lesada, necessitando, portanto, desses cuidados para uma melhor recuperação, particularmente das crianças (NEVES, 2000). [...]


[...] Segundo Neves (2000), a coleta, o armazenamento e a conservação das fezes são de fundamental importância na qualidade do exame. É preciso orientar o paciente dizendo-lhe que a evacuação deve ser feita em recipiente limpo e seco e parte das fezes transferida para um frasco próprio de boca larga, bem fechado e identificado. A identificação deve conter o nome do paciente, idade, data se possível, a hora da coleta. No caso de fezes frescas (sem conservantes) é necessário o transporte para o laboratório deve ser imediata. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Parasitoses intestinais

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  20/05/2007   |  BR   |   .ppt   |   42 páginas

Parasitoses intestinais e seus tipos

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo dirigido   |  23/10/2007   |  BR   |   .ppt   |   55 páginas

Mais Vendidos medicina

Trabalho sobre educação física e a importância do esporte no ensino

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  15/05/2007   |  BR   |   .doc   |   16 páginas

Gestação múltipla

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Dissertação   |  21/11/2007   |  BR   |   .doc   |   21 páginas