Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Anatomopatologia veterinária

Informações sobre o autor

Professora de Genética - Professora de Melhoramento...
Nível
Especializado
Estudo seguido
Médica...

Informações do trabalho

Giselle K.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo dirigido
Número de páginas
76 páginas
Nível
Especializado
Consultado
207 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Coleta e remessa de material
  2. Alterações Cadavéricas
  3. Patologias do Sistema Urinário
  4. Aparelho circulatório
  5. Patologias do Sistema Hemolinfático
  6. Patologias do Sistema Hemolinfopoiético
  7. Patologia do Sistema Digestório
  8. Patologias do Sistema Locomotor
  9. Estudo Dirigido

A anatomopatologia veterinária é a ciência que examina macroscópica e microscopicamente os tecidos ou órgãos extraídos cirurgicamente ou coletados após a morte dos animais.
O anatomopatologista é muitas vezes lembrado como o especialista que faz as necropsias, porém o anatomopatologista também tem sua rotina de trabalho em laboratório, recebendo e analisando fragmentos de órgãos retirados de animais vivos, ou seja, fazendo biópsia e citologia, determinando se existem alterações presentes nestes fragmentos que forneçam um diagnóstico etiopatológico.
Sendo assim, o anatomopatologista é aquele que analisa as alterações provocadas pela doença nos órgãos afetados, definindo qual patologia está (ou estava) acometendo o paciente, estabelecendo qual o estágio atual daquela patologia, fornecendo base para prognóstico e tratamento a ser fornecido pelos médicos veterinários, ou definindo qual a causa da morte do animal em caso de necropsia.

Coleta e Remessa de Material

Deve-se coletar um fragmento da área que se apresenta normal, de uma área intermediária e da área lisada. Caso não seja possível coletar os três fragmentos, coletar apenas da área lisada.
Os fragmentos retirados devem ter de um a dois centímetros. Se a lesão for muito grande (ex: tumor), retira-se toda a lesão e faz-se cortes na mesma para o fixador fixá-la melhor.
O frasco onde serão colocadas as amostras deve ter boca larga e tampa de rosca.
Deve-se usar fixadores para preservar a amostra. O frasco deve estar sempre cheio do fixador (10 a 20 vezes mais fixador do que fragmentos). O mais utilizado é a solução de formol a 10%, diluído em água. No SNC utiliza-se formol a 20% (fixa o tecido em 12 a 24h). O líquido de Bouin é bom para fixar glândulas e sistema genital (fixa mais rápido e mantém por 6 a 12h, mas depois é preciso deixar mais 12h no álcool ? por isso não é muito utilizado). Sua composição é o ácido pícrico e o formol.
A identificação deve ser com uma etiqueta, contendo todos os dados do animal, do lado de fora do frasco. Deve-se usar lápis, pois caso ocorra vazamento não há perigo de borrar a tinta, como poderia acontecer se fosse escrito a caneta.

[...] É causada por germes e sua presença causa alterações na parede do endocárdio, provocando aumento do atrito sangüíneo no local, originando os trombos (coagulação no sistema vascular, sem que tenha havido hemorragia). O fluxo sangüíneo pode destacar uma parte do trombo pela corrente sangüínea, originando um êmbolo (tromboembolia), que ganha a circulação e pode se fixar em outro local ou nas válvulas, obliterando a luz das mesmas, causando seu mau fechamento e originando um refluxo do sangue. Degenerações Endocardiose. As cordas tendínias se tornam espessadas e com nódulos. [...]


[...] Infecção bacteriana secundária; 4. Alergia; 5. Trauma. Inflamações causas: vírus, bactérias, gases irritantes, imunossupressão, estresse. As inflamações podem ser classificadas quanto à natureza do exsudato: Seroso comum em processos inflamatórios leves. Produção das glândulas serosas da mucosa respiratória. É uma corisa líquida, clara e branda. Catarral processo inflamatório grave. Aspecto macroscópico da secreção: muco viscoso, espesso, com a coloração indo de translúcido a esbranquiçado. Microscopicamente pode-se encontrar restos celulares. Purulento presença de bactérias no material. Causado por processo inflamatório grave, com necrose da mucosa. [...]


[...] Pode ser causada por traumas, microrganismos e fimose (dificuldade em expor o pênis, urinando no prepúcio, favorecendo a proliferação de microrganismos). Neoplasias TVT tumor venéreo transmissível. O TVT é encontrado em cães e é transmitido através do coito, pela transferência de células tumorais intactas, afetando ambos os sexos. Aspectos macroscópicos: superfície inflamada e ulcerada, com aspecto de couve-flor. Carcinoma epidermóide. Fibropapiloma freqüente em bovinos. Conclusão A anatomopatologia veterinária é a ciência que examina macroscópica e microscopicamente os tecidos ou órgãos extraídos cirurgicamente ou coletados após a morte dos animais. O anatomopatologista é muitas vezes [...]

Mais Vendidos veterinária

Herpesviridae

 Biologia e medicina   |  Veterinária   |  Artigo   |  29/06/2008   |  BR   |   .doc   |   19 páginas

mais Pontuados veterinária

Anatomia, Estrutura e Circulação Sanguínea da Glândula Mamária

 Biologia e medicina   |  Veterinária   |  Estudo   |  13/08/2012   |  BR   |   .doc   |   10 páginas