Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Dermatite e otite

Informações sobre o autor

A
Nível
Especializado
Estudo seguido
A

Informações do trabalho

Melissa S.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo dirigido
Número de páginas
7 páginas
Nível
Especializado
Consultado
251 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Introdução
  2. Otite externa
  3. Dermatite
  4. Conclusão

A Malassezia pachydermatis é uma levedura não-micelial, monopolar, lipofílica, caracterizada por apresentar um formato oval alongado e uma parede celular espessa, anteriormente conhecida por Pityrosporum canis. É considerado um microorganismo comensal, facilmente encontrado na pele e mucosas de mamíferos e aves . Tida como componente da microflora cutânea por alguns autores, a levedura foi A primeira descrição da levedura foi feita em 1925 por WEIDMAN, em material proveniente de um rinoceronte indiano (Rhinoceros unicornis) com dermatite esfoliativa . Em 1955, GUSTAFSON isolou pela primeira vez a Malassezia do conduto auditivo de cães.

A detecção e o isolamento de Malassezia Pachydermatis podem ser feitos por meio de observação microscópica direta do material suspeito e cultura do agente em meios especiais. A observação microscópica é o meio mais adequado para a detecção de m.sp a morfologia é característica e há menor possibilidade de erro quando comparada a cultura isoladamente (Machado et al.,2003).
A Malassezia Pachydermatis necessita de lipídios, encontrados no cerúmen canino, para o seu desenvolvimento. A cultura do fungo deve ser feita em meios contendo uma fonte lipIdica como promotora de crescimento, já que o fungo não se desenvolve satisfatoriamente em meios micológicos simples. Recomenda-se a utilização de ácidos graxos constituintes do cerúmen dos cães (ácidos margáricos, estéricos, oléico e linoléico) como lipídeos preferenciais na fabricação do meio de cultura ( Melo et al., 2001).

[...] Recomenda-se a utilização de ácidos graxos constituintes do cerúmen dos cães (ácidos margáricos, estéricos, oléico e linoléico) como lipídeos preferenciais na fabricação do meio de cultura ( Melo et al., 2001). A proliferação de leveduras na pele é capaz de ativar uma via alternativa de complemento além de liberar lípases e proteases com propriedades pró inflamatórias. Entretanto, em alguns casos a hipersensibilidade as leveduras permite o desenvolvimento de dermatite por malassezia sem que uma grande proliferação de leveduras seja necessária ou que algum outro fator predisponente seja identificado (Melo et al.;2001). [...]


[...] pachydermatis é um microrganismo comumente presente no epitélio auditivo de cães sadios e naqueles com otite externa relatam que as infecções por M. pachydermatis levam ao acúmulo de cerúmen de odor característico e coloração castanha. As freqüências para isolamento de M. pachydermatis no ouvido de cães otopatas variam de a 78%. A detecção e o isolamento de M. pachydermatis podem ser feitos por meio de observação microscópica direta do material suspeito e cultura do agente em meios especiais. A observação microscópica é o meio mais adequado para a detecção de M. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Otites externas

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  17/01/2007   |  BR   |   .ppt   |   58 páginas

Mais Vendidos veterinária

Herpesviridae

 Biologia e medicina   |  Veterinária   |  Artigo   |  29/06/2008   |  BR   |   .doc   |   19 páginas