Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

A nova lei de falência

Informações sobre o autor

 
Nível
Para todos
Estudo seguido
direito...
Faculdade
Fumesc

Informações do trabalho

JuliO L.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
11 páginas
Nível
Para todos
Consultado
615 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Breves procedimentos segundo a lei nº 7.661/45
  2. Projeto de lei de falência
  3. Principais alterações na lei de falência

A Nova Lei de Falência vem redefinir o Direito Falimentar Brasileiro privilegiando a recuperação das empresas para garantir sua permanência no mercado e, com isso, evitar a redução de empregos e o desaquecimento econômico.
O novo texto da Lei de Falência é um projeto que substituirá a atual legislação (Lei nº 7.661, de junho de 1945) que não atende mais às exigências de uma economia competitiva e sujeita às pressões da globalização dos mercados. Desta forma, a nova lei quer facilitar o processo de recuperação das empresas e, conseqüentemente, gerar mais impostos e fazer justiça social, com uma revisão do privilégio de créditos tributários.
O projeto de Lei de Falência também contribuirá para a queda das taxas de juros por possibilitar às instituições financeiras maior garantia de que vão receber os valores emprestados. Tem como prioridade também estabelecer mecanismos como uma maior flexibilidade na recuperação de créditos garantidos por alienação fiduciária, classificando-os como créditos extraconcursais, o que implica em prioridade no recebimento, caso a falência seja decretada.
O novo texto da Lei de Falência dispõe que continuarão sujeitas à recuperação e à falência todas as sociedades empresariais, as simples, as cooperativas e os empresários individuais. Permanecem de fora os agricultores que exploram propriedades rurais apenas para fins de subsistência de suas famílias, cujo patrimônio e renda anual não ultrapassem os limites.
O projeto também não alcança as empresas públicas e as sociedades de economia mista, que hoje estão fora do Direito Falimentar e se submeterão a uma legislação específica. Do mesmo modo, instituições financeiras públicas e privadas, cooperativas de crédito, empresas de previdência privada e operadoras de planos de saúde, sociedades seguradoras, de capitalização, e consórcios ? atualmente submetidos ao processo de liquidação extrajudicial ou ao Regime de Administração Especial Temporária.
Portanto, o novo texto estabelece um elenco de opções que poderão ser consideradas para a elaboração do plano de recuperação judicial. Dentre elas, constam à concessão de prazos e condições especiais para pagamento das obrigações; a cisão, incorporação, fusão e transformação de sociedade, constituição de subsidiária integral ou cessão de suas cotas ou ações; a substituição total ou parcial dos administradores; o aumento de capital social; o arrendamento, de preferência às sociedades cooperativas formadas por empregados da própria empresa; a celebração de acordo coletivo de trabalho, inclusive para reduzir salários e aumentar ou reduzir a carga horária dos trabalhadores; a venda parcial dos bens; a constituição de sociedade de credores; e a administração compartilhada.

[...] Em seguida à apresentação do relatório final, o juiz profere a sentença de encerramento da falência, que será publicada por edital duas vezes PROJETO DE LEI DE FALÊNCIA Inquestionável é a importância de uma empresa para a economia de uma sociedade, sendo que nos dias atuais grande parte dos empregos e da produção das riquezas são criadas pela atuação das empresas no contexto regional e mundial. A atual lei de falências e concordatas, que tramita na Câmara há 10 anos, já não atende mais a dinâmica da vida empresarial nem a realidade sócio-econômica no nosso país, quebrando várias empresas possivelmente viáveis. [...]


[...] Com o adimplemento da nova lei de falência ocorrerá uma mudança dos órgãos nos processos coletivos desaparece o termo utilizado no processo "síndico", surgindo, agora, a figura do administrador judicial, nomeado com a abertura do processo de recuperação judicial para co-gerir os negócios da empresa em recuperação e também quando for declarada a liquidação judicial do devedor para administrar os bens compreendidos na liquidação judicial. Com a figura do administrador-gestor que substitui o devedor quando este for afastado da empresa ou quando o administrador judicial recusar ou estar impedido de aceitar o encargo para gerir os negócios da empresa em recuperação judicial. [...]


[...] A autorização do juiz, ou o julgamento das suas contas, não isentam o síndico de responsabilidade civil e penal, quando não ignorar o prejuízo que do seu ato possa resultar para a massa ou quando infringir disposição da lei." Até o encerramento do processo falimentar, comente a massa tem legitimidade ativa para responsabilizá-lo, após, evidentemente, a sua substituição ou destituição. A falência é causa de dissolução-ato da sociedade empresária. O processo falimentar, no qual se realiza a liquidação do ativo e passivo, é uma forma específica de dissolução-procedimento. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Recuperação judicial: a nova lei de falências

 Direito e contrato   |  Outro   |  Estudo   |  31/10/2006   |  BR   |   .doc   |   11 páginas

Crimes na falência

 Direito e contrato   |  Dos negócios   |  Estudo   |  20/11/2006   |  BR   |   .doc   |   22 páginas

Mais Vendidos direito dos negócios

Uma visão do direito comercial

 Direito e contrato   |  Dos negócios   |  Estudo   |  04/05/2008   |  BR   |   .pdf   |   22 páginas

Formas especiais de pagamento

 Direito e contrato   |  Dos negócios   |  Estudo   |  31/05/2008   |  BR   |   .doc   |   4 páginas