Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

O porte de armas frente o aumento da violência urbana

Informações sobre o autor

 
Nível
Para todos
Estudo seguido
direito...
Faculdade
FPM...

Informações do trabalho

Marcos P.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
monografia
Número de páginas
52 páginas
Nível
Para todos
Consultado
7 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. O Estado
    1. A origem da formação do Estado
    2. Evolução histórica do Estado
    3. O Estado Oriental
    4. O Estado Grego
    5. O Estado Romano
    6. O Estado Medieval
    7. O Estado Absoluto
    8. O Estado Constitucional
    9. Segurança pública
    10. Evolução histórica
    11. Conceito
  2. Da violência
    1. Breve relato histórico
    2. O 'homo violens': o homem é um ser de violência
    3. A cultura do medo
    4. Sociedade de risco e criminalização
    5. Problemas sociais
    6. Agressão
    7. Delinquência e crime
    8. Tipos de delinqüentes
    9. Delinqüente ?Pseudo Social?
    10. Psicopatas
    11. Concentração urbana e suas conseqüencias
  3. Das armas
    1. Breve relato histórico
    2. Conceitos e definições de arma de fogo
    3. Armas brancas
    4. Portes e autorizações
    5. Certificado de registro de arma de fogo
    6. Porte comum federal
    7. Porte de ?caçador de subsistência?
    8. Armas e violência
    9. As amas no esporte
    10. Tiro Prático
    11. A CBTP no âmbito mundial
    12. O Tiro ao Alvo
    13. Os colecionadores de armas
    14. Destaque dado as armas de fogo
    15. Pesquisas e dados
  4. Considerações finais
  5. Referências bibliográficas

O presente trabalho tem como objeto ?mostrar uma visão diferenciada das armas de fogo e sua utilização como meio de proporcionar ao cidadão devidamente treinado, a sua segurança e dos seus, sagrado direito amparado pela Constituição Federal? e, como objetivo institucional, produzir uma Monografia para obtenção do grau de Bacharel
Como objetivo geral, realizar uma pesquisa bibliográfica genérica a respeito das armas de fogo e verificar qual a relação das mesmas com o crescente aumento da violência em nosso País, principalmente nas grandes cidades.
O tema é atual e relevante, pois trata do porte de armas de fogo e do Estatuto do Desarmamento, sendo que grande parte da obras relacionadas com este tipo de assunto, enfoca, precipuamente, a esfera criminal.
Com este trabalho, pretende-se destacar a importância de se levar em conta as características de uma mente criminosa, independentemente daquilo que é utilizado para a realização do ato delitivo, a fim mostrar que objetos inanimados como as armas de fogo, entre outros, não agem por si só, mas pela ação do homem face a sua vontade em produzir tal resultado.
Entretanto, o assunto torna-se intrincado quando se verifica a existência de uma Lei, a qual pretende, por todos os meios, desarmar os homens honestos, sabendo que aqueles que realmente oferecem perigo real à sociedade, não entregarão as suas armas, pelo obvio motivo de que são suas ?ferramentas de trabalho?.
Para encetar a investigação adotou-se o método indutivo, operacionalizado com as técnicas do referente, da categoria, dos conceitos operacionais e da pesquisa de fontes documentais. Para relatar os resultados da pesquisa, empregou-se o método indutivo, em conjunto com as técnicas propostas por Colzani e a metodologia representada pela NBR/ABNT.
A pesquisa foi desenvolvida tendo como base a seguinte hipótese: ?Armas não matam pessoas. Pessoas matam pessoas?.
Para a feitura do trabalho monográfico, duas obras foram especialmente utilizadas como base: Armas de Fogo. São elas as culpadas? De autoria de João Luiz Vieira Teixeira e Estatuto do Desarmamento: fronteiras entre racionalidade e razoabilidade de autoria de Gilberto Thums.
O trabalho foi dividido em três capítulos:
O primeiro apresenta as bases introdutórias à criação do Estado diante da necessidade do homem em obter mais segurança para si, seus bens e sua família, ato que deu início à criação das diversas polícias e também a criação da Secretaria de Segurança Pública, como forma de garantir ao homem esse direito.
O segundo aborda a violência e os vários tipos de mentes criminosas, expondo, de maneira prática, a maneira com que a criminalidade vem sendo tratada no Brasil, não no sentido de evitar o delito através da educação escolar e estruturação do sistema carcerário, mas apenas tratando da violência após a sua concretização. Nestes estão incluídos o devido processo legal, o acesso à justiça, o juiz natural e, decorrentes destes, a isonomia e a imparcialidade.
O terceiro e, derradeiro capítulo, apresenta os vários tipos de armas de fogo, desde a sua criação nos tempos das cavernas até os dias de hoje, passando pelas grandes batalhas e guerras mundiais, mostrando também, que, ao contrário do que pensa a maioria das pessoas, as armas de fogo também servem para unir os povos, através dos esportes, olímpicos inclusive, como é o caso da fossa olímpica, e mostrando que é possível ver o quão inofensivas, divertidas e úteis podem ser as armas de fogo quando nas mãos de pessoas honestas, bem intencionadas e com o devido treinamento para tal.
Encerrando este capítulo, passa-se à questão de que ?Armas não matam pessoas. Pessoas matam pessoas?.
É mostrada, neste capítulo, a necessidade de uma formação educacional mais adequada e eficiente, tanto nas escolas, quanto dentro do sistema carcerário brasileiro, e condições de vida mais humanas para uma grande parte da população brasileira, devolvendo-lhes, assim, a dignidade e o respeito, o que fatalmente trará o resultado que está sendo aguardado com o Estatuto do Desarmamento.
Nas considerações finais apresenta-se breve síntese de cada capítulo e demonstra se a hipótese básica da pesquisa foi ou não confirmada.

[...] Recente pesquisa realizada por Pastana[48] sobre a cultura do medo apresenta denúncia no sentido de que se trata de uma ideologia[49] que se reflete a crença de que vive-se em um momento particularmente perigoso devido ao aumento da criminalidade violenta e a legitimação de posturas autoritárias que, de acordo com interesses políticos, são difundidas como capazes de solucionar este problema SOCIEDADE DE RISCO E CRIMINALIZAÇÃO A sociedade pós-moderna está fundamentalmente marcada pela globalização, pela velocidade das informações, pela tecnologia, pela inexistência de fronteiras, porque o homem está desterritorializado. [...]


[...] Considerações finais O presente trabalho teve como objetivo realizar uma pesquisa acerca da real contribuição do porte de armas no aumento da violência urbana. O interesse pelo tema abordado deu-se em razão de sua atualidade e pela diversidade com que o assunto vem sendo abordado no contexto nacional. Para que fosse possível abordar o tema ?porte de armas?, foi necessário que, antes de mais nada, fosse falado sobre a Segurança Pública, sua criação e sobre a necessidade da criação do Estado. [...]


[...] 5º, Porte comum federal Ainda Thums:[77] O porte comum, para armas de porte (revolver, pistola ou garrucha) pressupõe que o interessado seja o dono da arma, que esteja cadastrada e registrada pelo SINARM, e será expedido pela Polícia Federal com validade conforme abrangência territorial definida no documento Porte de ?caçador de subsistência? Ainda nesse sentido, Thums diz:[78] O art. 6º, 5º, da Lei 10.826 /2003, prevê a possibilidade de concessão de porte de arma de fogo na categoria caçador de subsistência. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Armas de fogo no Brasil e o estatuto do desarmamento

 Direito e contrato   |  Penal   |  Monografia   |  30/11/2006   |  BR   |   .doc   |   60 páginas

Armas de fogo

 Direito e contrato   |  Direito civil   |  Estudo   |  03/03/2008   |  BR   |   .doc   |   29 páginas

Mais Vendidos direito (outro)

Direiro Ambiental

 Direito e contrato   |  Outro   |  Estudo   |  25/11/2013   |  BR   |   .doc   |   5 páginas

Direito Comercial

 Direito e contrato   |  Outro   |  Estudo   |  25/11/2013   |  BR   |   .doc   |   6 páginas