Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Considerações sobre a educação e ensino da matemática

Informações sobre o autor

A
Nível
Especializado
Estudo seguido
A

Informações do trabalho

Marta O.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo dirigido
Número de páginas
11 páginas
Nível
Especializado
Consultado
151 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Introdução
  2. Matemática: ciência para educar ou ensinar?
    1. Tendência formalista-clássica (Década de 1950)
    2. Tendência formalista-clássica (Década de 1950)

A Matemática, como Ciência é, desde os gregos, uma disciplina (ou área de conhecimento) de grande atenção e interesse nos sistemas educacionais. Suas principais características são os modos de quantificar, de medir, de ordenar e inferir, na vida real, através de métodos e aplicações.
Desta relação advém muitos conceitos/abstrações que, de acordo com Aleksandrov (1985, p.18): ?não é algo exclusivo da Matemática; é característica de toda Ciência, incluindo toda a atividade mental em geral?. Conseqüentemente, a abstração dos conceitos matemáticos não proporciona por si mesma uma descrição do caráter peculiar da Matemática.
Diante da universalidade da Matemática, presente na indústria, na vida social pública e privada, na Biologia, Astronomia, Física, Química, e outras áreas de conhecimento, temos que considerar suas diversidades, controvérsias e crises através da sua História. Cobb (1996, p.153) diz que:

() Geralmente, aceitamos, sem questionar, as verdades matemáticas e acreditamos estar fazendo descobertas quando nos engajamos na atividade matemática. Embora possamos distanciar-nos de nossa atividade matemática e especular que a Matemática é uma construção da mente humana, permanece o fato de que a verdade matemática independente da mente humana pré-existem quando fazemos e falamos sobre Matemática.

[...] A Matemática passará a ser aceita e vista como atividade humana determinada socioculturalmente pelo contexto onde se realiza. Embora a Etnomatemática venha se consolidando nacional e internacionalmente, ela representa uma nova postura para o ensino da Matemática. Nas palavras de Ambrósio (1990, p. ( . ) A Etnomatemática é um programa que visa explicar os processos de geração, organização e transmissão de conhecimentos em diversos sistemas culturais e as forças interativas que agem no e entre os três processos. ( . [...]


[...] O modo de ensinar depende também da concepção que o professor tem do saber matemático, das finalidades que atribui ao ensino da matemática, da forma como concebe a relação professor/aluno além disso, da visão que tem de mundo, de sociedade e de homem. Este autor, em uma investigação elaborada em 1994 sobre a Educação Matemática no Brasil, identificou que, nos últimos 40 anos, algumas tendências teórico-metodológicas caracterizaram o ensino em geral a Matemática, em particular. Em síntese, ele destaca algumas das principais tendências a partir de dissertações, teses e/ou artigos sobre esta área. [...]


[...] Se na formação inicial a Didática ocorre de maneira mais espontânea e menos criteriosa, na prática profissional ela deve se desenvolver sob uma dimensão científica através da prática deliberada de uma investigação teórica e prática. Acreditamos que, a Educação Matemática, enquanto um campo de conhecimento científico amplo, necessita abranger toda a complexidade da relação ensino- aprendizagem, não somente dela, Matemática, mas dela com as demais áreas do conhecimento sob o enfoque da Epistemologia, Psicologia, Sociologia, Antropologia, estendendo-se à História da Matemática e outras que estão imbricadas nas questões que envolvem o processo de aprendizagem do aluno. [...]

Últimos trabalhos matemática

Amostragem e probabilidade

 Engenharia e tecnologias   |  Matemática   |  Estudo   |  12/12/2008   |  BR   |   .ppt   |   36 páginas

Matemática e mosaicos: um estudo de produção artística matemática de M. C. Escher

 Engenharia e tecnologias   |  Matemática   |  Monografia   |  04/10/2008   |  BR   |   .doc   |   42 páginas