Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

A língua armênia e cultura cristã

Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado
Estudo seguido
recursos...
Faculdade
UNIRADIAL

Informações do trabalho

ANA PAULA D.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
artigo
Número de páginas
5 páginas
Nível
avançado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Diagnóstico da empresa "ST Estruturas" e pesquisa de marketing

A língua Armênia é falada desde 600 a.C. e é uma das mais antigas do mundo, era oral e não escrita. As origens da literatura na Armênia acabam se perdendo no tempo. Já se fazia uso da expressão oral em criações literárias séculos antes da invenção do alfabeto armênio. A tradição oral, composta pelo povo, poesia cantada sobreviveu oralmente por quase 1000 anos, pois não tinha a literatura escrita. Alguns historiadores acreditam que estas citações, estas criações, ao invés de serem orais, apoiavam-se em um suposto alfabeto primitivo ou faziam uso da miscigenação dos alfabetos dos povos vizinhos. A história Armênia precedeu o cristianismo, e neste período, havia uma criatividade literária que tratava de maneira mais comum o teor épico, em que os heróis eram celebrados em versos que eram transmitidos de geração em geração, sofrendo mudanças e enriquecimentos constantes. Graças a alguns historiadores armênios medievais, com destaque para Moisés de Khorenatsi, pai da literatura Armênia, que é um escritor do Século de Ouro, século V, é que temos contato com estes versos de poemas que exaltam as façanhas dos deuses e dos homens. Estes poemas provavelmente eram criados por bardos e cantores e que graças à tradição avançou séculos. Estes poemas eram conhecidos como Cantos de Goghten, que podiam ser em prosa ou em verso. Khorenatsi elucida que este nome (Cantos de Goghten) deve-se ao fato de terem sido entoados pelos bardos de Goghten. Desta forma, os cantores de Goghten, séculos após a cristianização no país, contribuíram para a conservação e propagação do folclore e dos mitos do paganismo épico.
A Armênia é a primeira nação oficialmente que aderiu ao cristianismo. A cristianização da Armênia ocorreu em 301 d.C. e não relata somente uma mudança de religião, é toda cultura de um povo que toma um novo rumo. A adoção do cristianismo acaba por distanciar ainda mais os armênios (politicamente e culturalmente) de seus vizinhos orientais, os persas. E como os armênios não possuíam uma escrita própria, era inevitável que começassem a escrever na língua de povos vizinhos já cristianizados. A língua grega e a siríaca foram utilizadas na redação de documentos oficiais da época e como meio de divulgação da expressão literária e teológica. Como o uso destas línguas ameaçavam a identidade cultural e nacional, coube a Mesrob Mashdotz, junto a seus colaboradores, com apoio das entidades políticas e religiosas, a criação deste instrumento providencial, por volta de 406 d.C.. Com a criação do alfabeto armênio, a comunidade religiosa, a elite intelectual da época, inicia a tradução de toda uma literatura cristã básica, para a língua Armênia, que iria favorecer o avanço da evangelização no país. A primeira obra a ser traduzida, foi a Bíblia que era lida e utilizada em língua estrangeira. Sua tradução inicial foi feita de um texto siríaco. Logo depois, em decorrência do contato com alguns tradutores de Constantinopla refez-se a tradução com base na Septuaginta (tradução grega do Antigo Testamento original em hebraico). Foi um trabalho difícil, mas com resultado compensador, pois inaugurou a nova era para a evangelização do país, bem como para a evolução e o aprimoramento da língua, nascendo assim, a escrita Armênia.

[...] Vale ressaltar que, os tradutores propiciaram tanto a cultura secular como a Igreja, um fundamento literário e teológico, sem o qual não teríamos noção de literatura Armênia. Os tradutores da época não foram apenas protagonistas, escreveram suas próprias obras, originais, primícias de uma literatura autônoma, dando origens a novas obras de grande valor para a cultura Armênia. Dentre os grandes tradutores da época se destacam Iesnigue Koghbatzi, que pertence à primeira geração de tradutores de grande nome no Século de Ouro e que trouxe de Constantinopla o texto grego da Bíblia Ieghishê, que se situa no final do século de ouro e é contemporâneo de Moisés Khorenatsi. [...]


[...] Além de Artashês e seu filho, outras figuras também são relatadas nos Cantos de Goghten, tais como: o rei Dicran, o Grande; Dertade, restaurador da soberania Armênia; Haig, o herói fundador da nação Armênia; o príncipe Ará, o Belo e Vahakn, que equivale a Herácles da mitologia grega. Período Clássico Criação do alfabeto e tradução da Bíblia A Armênia é a primeira nação oficialmente que aderiu ao cristianismo. A cristianização da Armênia ocorreu em 301 d.C. e não relata somente uma mudança de religião, é toda cultura de um povo que toma um novo rumo. [...]

Mais Vendidos história

Processo de industrialização e formação capitalista do Brasil - 1930-1945

 História/geografia e idiomas   |  História   |  Estudo   |  07/05/2007   |  BR   |   .doc   |   8 páginas

Últimos trabalhos história

O discurso da imprensa sobre o complexo penitenciário da Papuda em Brasília, de 1979 aos nossos...

 História/geografia e idiomas   |  História   |  Monografia   |  30/03/2009   |  BR   |   .doc   |   50 páginas

As duas faces de Winston Churchill

 História/geografia e idiomas   |  História   |  Fichamento   |  23/03/2009   |  BR   |   .doc   |   8 páginas