Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

A aquisição da linguagem - teorias e fatos

Informações sobre o autor

Professora de Especialização
Nível
Especializado
Estudo seguido
graduação...

Informações do trabalho

Gilda M.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
8 páginas
Nível
Especializado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. O MANDARIM ? RESUMO DA OBRA

O presente trabalho tem por objetivo apresentar e discutir as principais abordagens teóricas sobre a aquisição da linguagem. Para tanto, utilizaremos como referencial teórico as reflexões sobre o tema desenvolvidas por ALBANO (1990), em Da fala à linguagem: tocando de ouvido.
Este trabalho foi realizado como requisito para a conclusão do Seminário ?Aquisição da Linguagem?, ministrado pela Profa. Dra. Elizabeth Reis Teixeira, da UFBA, nos dias 19 e 20 de março de 2002, na Universidade Católica de Pernambuco.
A linguagem da criança sempre provocou especulações diversas entre leigos ou estudiosos do assunto, mas durante muito tempo estes trabalhos foram escassos e esparsos. Entender como pequenas criaturas são capazes de tanta criatividade e eloqüência lingüística sempre foi um desafio para muitos.
Estudos sistemáticos sobre o que a criança aprende e como adquire a linguagem, começaram a se desenvolver no século XX. Com a expansão da população infantil e o surgimento das instituições escolares, a criança passa a ser vista como um ser diferenciado, que precisa de cuidados e atenções especiais para se desenvolver, e não mais como um ?adulto em miniatura?.
Assim, diversos pesquisadores passaram a estudar os fenômenos referentes à linguagem e ao pensamento infantil. Psicólogos do desenvolvimento como Stern, Bühler, Binet e Guillaume passam a entender a linguagem infantil como um eloqüente indício da intensa atividade intelectual exercida pela criança desde cedo.
Os estudos sobre a aquisição da linguagem nos Estados Unidos, durante a primeira metade do século XX eram de natureza mecanicista. O quadro científico era na época dominado pela corrente Behaviorista ou ambientalista, dominante nas teorias da aprendizagem.
Segundo o behaviorismo, a aprendizagem da linguagem seria fator de exposição ao meio e decorrente de mecanismos comportamentais como reforço, estímulo e resposta,. (SCARPA, 2001) e a linguagem passa a ser vista como a origem física de todo o pensamento.
Skinner, psicólogo cujo trabalho foi o mais influente no behaviorismo, parte de pressupostos tanto metodológicos quanto teórico-epistemológicos e propõe então enquadrar a linguagem, ou comportamento verbal, em uma cadeia associativa, isto é, sucessões lineares de estímulo resposta e reforço, que explicam o condicionamento e estão na base da estrutura do comportamento.

[...] Segundo Albano (1990, p.24) este fenômeno é explicado pela sensoriomotricidade plásticas semi automática que a criança possui, e da qual muitas vezes o adulto não se dá conta. Assim, esta experiência mostra que a expressão verbal de cenas manipulativas privilegia o objeto ou o agente do movimento, uma vez que organizada em função da linguagem em si mesma. Tal classificação faz-se possível porque a sensoriomotricidade que dá sentido às palavras é independente daquela que lhes dá forma, dando margem a coordenações mais ou menos arbitrárias. [...]


[...] Mas, ainda segundo a autora, o processo de aquisição da linguagem é mais ?piagetiano? do que parece, pois saberes presentes num dado momento de desenvolvimento da criança, desaparecem e reaparecem estruturados depois. O conhecimento lingüístico manifesta seu caráter ?piagetiano?, isto é, de abstração progressiva com reestruturações sucessivas, no interior da própria linguagem. Declarando-se uma construtivista de inspiração piagetiana, Albano, em sua teoria sobre a aquisição da linguagem, discorda de Piaget nos seguintes pontos: A primeira divergência consiste em admitir predisposições inatas já bastante específicas e diferenciadas. [...]

Estes documentos podem interessar a você

A gramáticas e suas implicaturas

 Psicologia e letras   |  Lingüística   |  Estudo   |  07/10/2008   |  BR   |   .doc   |   5 páginas

Últimos trabalhos lingüística

A gramáticas e suas implicaturas

 Psicologia e letras   |  Lingüística   |  Estudo   |  07/10/2008   |  BR   |   .doc   |   5 páginas

Ouvir, contar e recontar histórias - A narrativa como produtora de significados

 Psicologia e letras   |  Lingüística   |  Estudo   |  04/10/2008   |  BR   |   .doc   |   6 páginas