Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Questões sociais da obesidade

Informações sobre o autor

 
Nível
Para todos
Estudo seguido
assuntos...
Faculdade
UNISAL

Informações do trabalho

Caiza H.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
17 páginas
Nível
Para todos
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Aspectos gerais da história da alimentação
  2. Algumas considerações sobre dieta alimentar e o padrão de beleza ao longo da história
  3. Aspectos gerais da obesidade e algumas questões sociais
  4. Algumas considerações sobre obesidade infantil

A alimentação é algo vital e se faz necessário para o homem desde o nascimento. É se alimentando que o Homem retira os nutrientes necessários para o funcionamento do organismo. Esses nutrientes encontram-se nas carnes nos vegetais e em inúmeros alimentos, no qual, a química orgânica se encarrega de transformá-los e distribuí-los em forma de energia, de maneira que eles sejam úteis ao nosso organismo.
Segundo Radaelli (2002) a história da alimentação é antiga. O homem teria começado a se alimentar desde que surgiu, alimentando-se de frutos, raízes, folhas e grãos, obtendo assim, as calorias essenciais que o homem necessitava. Na era paleolítica inferior, começou a caçar para o consumo de carne, mas sempre de animais de grande porte como, por exemplo, o urso, rinocerontes, elefantes. Somente após o resfriamento da Terra, o homem começou a caçar e a se alimentar de animais menores, como javalis, lebres, e pássaros.
Foi no oriente médio, que o homem começou a desenvolver a agricultura e a criação de animais.
Com o passar dos tempos os homens começaram a se deparar com alimentos diferentes, de acordo com as regiões, e em cada região a uma seleção e escolha dos alimentos que a natureza lhes oferecia, escolhas que decorriam da diversidade regional.
A maneira de preparar e escolher os alimentos além de regional pode ser variado também conforme crenças religiosas e também fatores culturais.
O preparo dos mesmos alimentos também difere de um povo e de outro, como a tecnologia, a economia e as características sociais. Na África, por exemplo, onde tantas coisas se fazem coletivamente, mas é de forma individual que as mulheres descascam e pilam alguns determinados alimentos dedicando a maior parte do seu tempo. Já no ocidente, acontece o contrário, eles se utilizam instrumentais como os fornos senhoriais ou moinhos, que poupam bastante tempo da dona de casa, permitindo também que o Senhor controle os seus subordinados.
No Século XIX, a maioria dos estudos de consumo alimentar das populações tinha por finalidade estabelecer padrões dietéticos, que, em sua maior parte, eram levantamentos de alimentos livres de gorduras. As recomendações de nutrientes e energia foram baseadas nesses levantamentos.
Um século mais tarde, os estudos sobre consumo alimentar evoluíram e passaram a ser realizado, em muitos países, por organismos oficiais, com o objetivo de estabelecer as recomendações de energia e demais nutrientes e orientar as políticas governamentais no campo da Saúde Pública, sobretudo, nos programas de fortificação de alimentos, suplementação alimentar e educação nutricional para as populações que estavam sempre voltados para a questão do fortalecimento do homem e não com a ingestão de alimentação balanceada.

[...] 2005) Além disso, sabemos que a obesidade tem origens psicológicas sendo divididas em várias áreas como à linha psicossomática (de autores da linha psicanalítica) e a comportamental. Esta vê a . hiperfagia do obeso como um comportamento aprendido, na linha dos reflexos condicionados e controlado por fatores externos do meio ambiente do sujeito. A psicossomática, embora não descarte a tendência hereditária, considera a hiperfagia como um sintoma, superdeterminado por causas psicológicas e emocionais inconscientes? (http://www.uftm.edu.br/instpub/fmtm/nutrologia/O%20que_e_dieta.htm) A obesidade está sendo considerada, pela Organização Mundial de Saúde, como uma epidemia global, que está atingindo milhões de pessoas no mundo todo, sendo considerada como um importante problema de saúde pública, trazendo, a um número crescente de pessoas, graves problemas sociais e de saúde. [...]


[...] Transição e movimentos sociais contribuição ao debate da reforma sanitária. Cad. Saúde Pública., Rio de Janeiro, v n Disponibilizado em : . Acesso em: 19 de setembro de 2006 FALEIROS, Vicente de Paula. O que é política Social, 5º edição, brasileira São Paulo. http:// /search?q=cache:_4U59XH1eXkJ:bvsarouca.cict.fiocruz.br/s anitarista05.html++%22Reforma+Sanit%C3%A1ria+%22+%22SUS%22&hl=pt- BR&gl=br&ct=clnk&cd=5. Acesso em 22/03/2006 FOLHA DE SÃO PAULO. Governo do RJ impõe dieta light em escolas. São Paulo, 14.jan Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u104181.shtml acesso em 27 de ago.2005. GARCIA, Flávia. Art. Prevenção e tratamento da Obesidade Infantil. [...]


[...] Paradoxalmente na Segunda Guerra Mundial o fator obesidade também é um problema de saúde pública da época, representando atualmente o principal distúrbio nutricional dos países industrializados. O aumento dos casos de excesso de peso é descrito também em países em desenvolvimento, onde coexiste com a desnutrição. A obesidade pode ser considerada como uma síndrome, definida pelo aumento de tecido adiposo em relação à massa corporal magra e determinada, na maior parte dos casos, por inadequação entre ingestão alimentar e dissipação de calor ou energia Algumas considerações sobre dieta alimentar e o padrão de beleza ao longo da história. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Obesidade mórbida, preconceito, discriminação e carência de espaços públicos adaptados

 Biologia e medicina   |  Medicina   |  Estudo   |  08/01/2007   |  BR   |   .doc   |   25 páginas

Mais Vendidos assuntos sociais

Resenha do livro "A cultura do dinheiro" de Fredric Jameson

 Sociedade   |  Assuntos sociais   |  Fichamento   |  17/10/2006   |  BR   |   .doc   |   5 páginas