Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

A nova ordem mundial: a globalização e os meios de informação

Informações sobre o autor

escola estadual fazenda ingaíba - escola estadual coronel...
Nível
Especializado
Estudo seguido
pós-graduaç...

Informações do trabalho

Monalisa d.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
6 páginas
Nível
Especializado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. AS TECNOLOGIAS PÚBLICAS E PRIVADAS DE COMUNICAÇÃO
  2. A FUNÇÃO DO ESTADO NO PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO
  3. O ACESSO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Na atualidade impera a globalização, uma nova ordem mundial que tem na informação um de seus elementos-chave e que vem transformando drasticamente a realidade de muitas culturas. As novas tecnologias de informação apresentam um vasto poder de massificar idéias, sendo que as nações poderosas valem-se do monopólio do conhecimento para melhor poder espalhar suas influências pelo planeta. Devido à constante irradiação de preceitos estrangeiros através da globalização, muitos Estados mostram-se enfraquecidos, tendo seu modo de ser e de viver sobrepujados pelos poderosos. Isso se dá principalmente pelo difícil acesso à informação enfrentado pelas nações pobres, que se vêem obrigadas a assimilar o conhecimento disponibilizado pelos patrocinadores da globalização. Percebe-se a necessidade de se questionar mais profundamente a validade dos processos de globalização e da Sociedade da Informação, ressaltando a necessidade do Estado continuar cumprindo com suas funções tradicionais, dentre elas a de proteger a pluralidade cultural dos povos.
Vivemos em uma sociedade bastante desigual, onde se verifica um profundo abismo separando os mais ricos dos mais pobres. De igual forma, o acesso aos meios de informação e de formação pessoal é muito desproporcional, sendo que as classes mais privilegiadas conseguem manipular os fatos a seu favor, valendo-se de elementos tais como poder e prestígio de acordo com seus interesses pessoais. Porém, esta situação nem sempre é claramente percebida pelas pessoas, sendo que, segundo Quéau (1998, p. 198): ?[] a maioria esmagadora não vive, não compreende e menos ainda se beneficia da globalização, embora esteja de fato sofrendo suas conseqüências e seja direta ou indiretamente afetada por ela de modo efetivo e profundo?.
Contextualizado com este processo, o estudo sobre a informação em tempos de globalização faz uma abordagem sobre o acesso das pessoas aos meios de informação, a desigualdade de oportunidades e o processo de globalização dos meios de comunicação. Além disso, procura chamar a atenção para as armadilhas do mundo atual (globalização, neoliberalismo, monopólio da informação, etc), através das quais as nações poderosas colonizam as mais fracas, impondo suas ideologias, culturas e valores, enquanto apropriam-se selvagemente das últimas riquezas do Terceiro Mundo.
As novas tecnologias de informação e comunicação interferem em todos os aspectos da nossa sociedade e também a nível global, criando um processo acelerado de massificação de idéias e interesses coletivos, onde o bem comum nem sempre é prioridade. Conforme Quéau (1998, p. 199): ?[] de fato, as globalizações tecnológicas e econômicas estão interligadas e afetam todos os países, direta ou indiretamente?. Trata-se, então, de um fenômeno mundial que vem alastrando-se assustadoramente há cerca de duas décadas, fazendo surgir uma nova espécie de colonialismo.
Nesta nova ordem, em quase todas as sociedades, as necessidades e preferências dos ricos e poderosos são as mais respeitadas, sendo prontamente concretizadas pelas autoridades locais. Em contra-partida, os interesses pelo bem comum e pela coletividade não prevalecem, o que vem a favorecer apenas a uma pequena parcela da população, justamente aquela que já é privilegiada e que detém o controle da informação. Inclusive, a informação revela-se uma poderosa arma a serviço da globalização, pois é formadora de opinião e pode ser manipulada de acordo com os objetivos e interesses dos mais poderosos, propagando suas idéias e anseios através da sutil manipulação dos meios de comunicação.

[...] Ciente destas verdades, neste trabalho pretendo abordar a influência da globalização na vida das pessoas, as diferentes oportunidades de acesso dos povos aos meios de informação e a atuação do Estado no processo de globalização. Almejo, com isto, criar um painel bastante claro sobre este assunto, o qual se mostra ao mesmo tempo sobremodo atual e urgente AS TECNOLOGIAS PÚBLICAS E PRIVADAS DE COMUNICAÇÃO As novas tecnologias de informação e comunicação interferem em todos os aspectos da nossa sociedade e também a nível global, criando um processo acelerado de massificação de idéias e interesses coletivos, onde o bem comum nem sempre é prioridade. [...]


[...] síntese, os elementos estruturais da sociedade da informação enfrentam hoje, entre outros, dois fortes condicionantes de natureza tanto conceitual quanto contextual: em primeiro lugar, uma retirada progressiva do Estado, em benefício do espaço privado e mercantil, facilitando a acumulação de capital e a mercantilização dos espaços informacionais e culturais [ . Percebe-se que os países do Terceiro Mundo são muito fracos e não têm condições nem voz ativa para impor uma influência decisiva nas tomada de decisões para os problemas globais. [...]

Mais Vendidos ciências políticas

Resumo critico WALTZ, Kenneth N. Teoria das Relações Internacionais. Lisboa: Gradiva, 2002. Cap.5

 Sociedade   |  Ciências políticas   |  Fichamento   |  15/01/2010   |  BR   |   .doc   |   3 páginas

Ficha de Leitrura: La Escuela del Mundo al Revés

 Sociedade   |  Ciências políticas   |  Fichamento   |  05/01/2012   |  BR   |   .doc   |   6 páginas

Últimos trabalhos ciências políticas

Ficha de Leitrura: La Escuela del Mundo al Revés

 Sociedade   |  Ciências políticas   |  Fichamento   |  05/01/2012   |  BR   |   .doc   |   6 páginas

Resumo critico WALTZ, Kenneth N. Teoria das Relações Internacionais. Lisboa: Gradiva, 2002. Cap.5

 Sociedade   |  Ciências políticas   |  Fichamento   |  15/01/2010   |  BR   |   .doc   |   3 páginas