Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Alimentos transgênicos

Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado
Estudo seguido
outros
Faculdade
Universidad...

Informações do trabalho

Lilian P.
Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
13 páginas
Nível
avançado
Consultado
1 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Alimentos transgênicos

Transgênicos ou organismos geneticamente modificados (OGM) são seres vivos criados em laboratório com técnicas da engenharia genética que permitem "cortar e colar" partes do DNA de um organismo para outro. Essa técnica muda a estrutura genética original do organismo para obter novas características específicas. Não ha limite para esta técnica: é possível criar combinações nunca imaginadas, como animais com genes de plantas e plantas com genes de bactérias. A soja transgênica da Monsanto, por exemplo, recebeu genes de duas bactérias, um vírus e uma flor para se tornar resistente ao agrotóxico Roundup, da própria Monsanto.
Para ambientalistas, o fato do material genético de uma planta, bactéria, vírus, animal ou peixe, ser enxertado em outra espécie com a qual nunca poderia se cruzar de forma natural traria problemas à tona tanto no aspecto ético, quanto modificaria o ecossistema.
A utilização de transgênicos na agricultura tem causado o aumento do uso de agrotóxico. E isso significa uma maior quantidade de resíduos que vão parar na nossa alimentação diária.
A liberação de transgênicos no meio ambiente também causa o aparecimento de ervas daninhas e pragas resistentes, a perda de biodiversidade e a contaminação genética. Isso sem falar nos impactos sobre a economia e a rotina dos agricultores brasileiros. E também pelo fato de algumas pessoas que têm alergia a determinados alimentos podem desenvolver alergia a outros geneticamente modificados.
Havendo uma divisão por parte dos Governos e sociedades civis mundiais para aprovar ou não transgênicos nos processos agrícolas. Quando se trata de aplicações na área médica, os produtos da biotecnologia têm melhor reputação junto à população, já as plantas transgênicas como a soja, o algodão, o milho, o tomate, ainda não são bem recebidos pelos consumidores.
As pessoas que defendem os transgênicos afirmam que a humanidade consome alimentos obtidos de organismos geneticamente modificados há milhares de anos, sem que eles tenham causado algum dano à saúde e, portanto, não haveria razão para se acreditar que com os alimentos obtidos de organismos transgênicos seria diferente.
De fato a grande maioria dos alimentos que consumimos são obtidos de organismos geneticamente modificados, mas estes alimentos foram produzidos por processos naturais, com a transferência de genes apenas entre organismos da mesma espécie e não em laboratórios.
A oportunidade de hiperexpressar um gene e assim aumentar a produção de um produto gênico apresenta relevante potencial para a pesquisa em nutrição.

[...] Segundo os mais recentes regulamentos comunitários, os alimentos destinados ao consumo humano que contenham um percentual de ou mais OGM, devem ser rotulados como tal. É também imposta a rastreabilidade dos ingredientes transgênicos, ou seja, deve ser registrada a circulação deste tipo de ingredientes desde a sua produção (no campo) até ao produto final (no prato). As rações animais passaram também a ter que ser rotuladas. Portanto, aparentemente, existe uma legislação que tende a proteger o consumidor e o ambiente. [...]


[...] Segundo um relatório de 2005 da OMS, é improvável que os alimentos transgênicos que já estão no mercado apresentem riscos para os humanos, embora, no futuro, "possam acarretar potenciais riscos diretos para sua saúde e desenvolvimento". "Há certeza de que alimentos derivados de plantas geneticamente modificadas que estão sendo comercializadas são tão inócuos quanto suas contrapartes convencionais. Isto é avalizado por 81 projetos de pesquisa europeus e pela OMS", disse ao Terramérica Esteban Hopp, coordenador da área de Biotecnologia Vegetal do Instituto de Biotecnologia da Argentina. [...]


[...] Faltam pesquisas científicas que comprovem as verdadeiras implicações dos alimentos transgênicos. A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) é a comissão especial do Ministério da Ciência e Tecnologia que regulamenta as atividades relacionadas com pesquisa, transporte e comercialização de organismos transgênicos e seus derivados. Esta comissão emite pareceres técnicos sobre os quais outros ministérios componentes (Ministério da Saúde, da Agricultura e do Abastecimento, do Meio Ambiente e da Amazônia Legal) irão exercer as suas atribuições, incluindo-se aí a regulamentação e a fiscalização. [...]

Últimos trabalhos ecologia/meio ambiente

Engenharia e sustentabilidade: O que fazer pelo Brasil sustentável neste mundo globalizado

 Sociedade   |  Ecologia & meio ambiente   |  Estudo   |  02/06/2011   |  BR   |   .doc   |   10 páginas

Crimes Ambientais e o Meio Ambiente

 Sociedade   |  Ecologia & meio ambiente   |  Estudo   |  18/05/2011   |  BR   |   .doc   |   13 páginas