Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado
Estudo seguido
educação...
Faculdade
Centro...

Informações do trabalho

Data de Publicação
07/10/2008
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
6 páginas
Nível
avançado
Consultado
87 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário

Benefícios da atividade física na melhoria da qualidade de vida na maturidade

  1. A Relação de Atividade Física com Fatores que Influenciam a Longevidade
  2. Atividade Física e Doenças Cardiovasculares
  3. Efeito do Exercício na Força e Massa Muscular
  4. Atributos Benéficos de Cunho Motor
  5. Benefícios de Caráter Mental e Social

O Brasil se encontra em um processo de transição de uma população jovem para uma idosa e com taxas de fecundidade baixíssima a exemplo do que já acontece com a população de países europeus. O censo realizado no ano 2000 informa que a população de idosos chegou a 14 milhões em meio a 165 milhões de habitantes. (BRASIL, 2002)
Nesta perspectiva pode-se depreender que os indivíduos estão tendo uma expectativa de vida maior como demonstra MATSUDO (2002).
Como vemos em MARQUES (1999) não se pode, nos dias atuais, garantir um envelhecimento bem sucedido sem que as atividades físicas estejam inclusas no cotidiano.
Outro ponto a ser discutido, como afirma PIRES et al. (2002), é que a velhice é sempre vista como um período de decadência física e mental e que o idoso não tem e não pode contribuir para a melhoria da sociedade.
O AMERICAN COLLEGE of SPORTS MEDICINE – ACSM (1998) demonstrou que há uma relação entre a prática de atividades físicas e a longevidade (fatores que podem influenciá-la). Ao analisar-se o estudo há demonstração de que impactos positivos em fatores de risco são comuns em praticantes de atividades físicas com mais de 60 anos. Dentre estes fatores pode-se citar: a diminuição e estabilização da pressão arterial, perfil lipídico melhorado, tolerância à glicose e disposição cognitiva acentuada. Dados desse estudo, também demonstraram que ex-atletas ao chegarem à maturidade possuíam padrões de densidade mineral óssea maior que os de mesma faixa etária e sedentários, sofriam menos quedas e traumas ósteo-articulares e possuíam habilidades motoras com respostas mais rápidas a estímulos.
Em RAUCHBACH (2000) nota-se que há uma associação entre inatividade física e doenças cardiovasculares. O estudo do ACSM, já citado, indicou o dobro de risco de doenças relacionadas ao coração em indivíduos inativos.
Da mesma maneira, estudos longitudinais em pacientes com doença coronariana demonstram que a prática de atividades físicas, a dieta e o controle de fatores de risco ajudam a prevenir a progressão da placa lipídica ou reduzem sistematicamente a gravidade da aterosclerose. (MATSUDO, 2002)
Outro ponto importante são as evidências de que a atividade física está associada à redução dos marcadores inflamatórios das artérias, sugerindo que o exercício é coadjuvante do processo de redução das inflamações coronarianas, pois estimula o efeito protetor nas células endoteliais e nas células T. (LEE et al., 2000)
Percebe-se que os indivíduos portadores de necessidade especiais devido a cardiopatia também podem se beneficiar com a prática de atividades físicas, muito embora tenham que estar sob a ótica de cuidados e de restrições que devem ser prescritas por profissional médico.

[...] Percebe-se então que um ganho na qualidade de vida se torna realidade com esses aspectos. Benefícios de caráter mental e social DUCKEN (1998), relata que os indivíduos que participam de programas de atividades físicas demonstraram maior auto-estima, auto-conceito, auto- imagem, melhoria na ansiedade, menos depressão e insônia, aspectos de convívio social e desenvolvimento de práticas sociais. LANCHMAN et al. (2006) afirmam que atividades físicas têm efeito no processo cognitivo melhorando a capacidade de adquirir conhecimentos. O autor também demonstrou que há uma associação inversa entre atividades físicas e risco de demência senil e mal de Alzheimer. [...]


[...] O autor cita alguns deles como, por exemplo, a melhoria da aptidão motora tanto na marcha como nos afazeres do dia a dia levando o indivíduo a se manter independente para tarefas cotidianas, em conseqüência disso há maior atividade neural, imprescindível para que a cognição possa continuar a se desenvolver. Os dados bibliográficos, então, suportam a afirmação de que a prática de atividade física regular durante o processo de envelhecimento é essencial para o aumento de possibilidades de ganho médio de vida. [...]

...

Estes documentos podem interessar a você

As ações da psicopedagogia, na aprendizagem da linguagem nas séries iniciais

 Sociedade   |  Educação   |  Estudo dirigido   |  26/09/2007   |  BR   |   .doc   |   53 páginas

Benefícios da atividade física para a terceira idade

 Sociedade   |  Educação física   |  Estudo   |  23/02/2008   |  BR   |   .doc   |   18 páginas

Mais Vendidos educação física

Exercícios resistidos

 Sociedade   |  Educação física   |  Estudo   |  08/05/2007   |  BR   |   .doc   |   14 páginas
Compra e venda de trabalhos acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.