Informações sobre o autor

 
Nível
Avançado
Estudo seguido
enfermagem
Faculdade
centro...

Informações do trabalho

Data de Publicação
18/10/2006
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
monografia
Número de páginas
19 páginas
Nível
avançado
Consultado
3 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário

Fundamentos teóricos e metodológicos da educação infantil: inserção no plano nacional de educação e o docente

  1. Revisão de literatura
  2. A ação educacional
  3. A questão ética do profisssional docente

A Educação Infantil no Brasil, projetada para ser o alicerce de uma construção de base sólida e segura para o educando, visando um percurso pelo caminho do desenvolvimento de nossa sociedade, caracteriza-se, no mínimo, por uma série de ações desafiadoras e, como tal, é necessário acreditar e lutar.
Com um dos focos em mente, que é a preocupação de definir como prioridade a educação universal das crianças definindo prioridades e destacando necessários investimentos, em especial públicos, em infra-estrutura física, acima de qualquer dúvida, o maior investimento será a formação profissional de docentes que atuem nesta área, que arriscamos dizer, privilegiada.
Na atuação desses profissionais, devidamente capacitados e valorizados, tal compromisso almejado referente à responsabilidade na construção de um país desenvolvido e com inclusão social, começando juntamente com as crianças pequenas na Educação Infantil, os resultados serão, com certeza, ecoados internacionalmente. Como já é possível ouvir experiências e resultados significativos que estão contribuindo para este sonho seja realizável.

O Referencial Nacional para a Educação Infantil abre um maior espaço para que os conteúdos sejam trabalhados em âmbitos gerais, processados de forma integrada e global fazendo inter-relações entre diferentes eixos a serem desenvolvidos com as crianças, eixos estes fundamentais ao seu desenvolvimento. Isto deu-se através do Conselho Nacional da Educação, pela Lei de Diretrizes e Bases Educacionais para a Educação Infantil, em 7 de abril de 1999,
O Educador, como mediador desse processo, tem como meta organizar os conteúdos de forma que se tenham informações de diversas áreas, sem que se separem, estudando a questão como um todo, olhando-a sob diferentes ângulos, ou seja, pontos de vista, diferentes, onde será prontamente ressaltado o devido valor do respeito ao ouvir e tentar compreender uma opinião oposta que venha a surgir no decorrer dessas ações educativas, que terão reflexos extra-escola, provavelmente.
É fundamental para que os alunos situem-se no mundo de hoje, o apoio de professores também atualizados e que estejam preparados para administrar suas aulas dentro dos enfoques como a interdisciplinaridade, inteligências múltiplas e formação de competências. Para que as crianças consigam processar as inúmeras informações que lhes são transmitidas diariamente pela mídia, sabendo construir suas reflexões, levando em conta aspectos envolvidos, e não tomar para si uma opinião ‘da maioria’ como pessoal, sem argumentos. Por isso, o educador é responsável pelo desenvolvimento da identidade e autonomia de seus alunos, sem esquecermos da primordial importância da família que intervêm favoravelmente, integrando-se à ‘missão’ de educador.

[...] Diante destas considerações, e tendo como motivação a própria prática no ensino profissional em sala de aula, pensou-se em buscar, através da constante reflexão, uma forma de ensino que pudesse despertar uma maior atenção sobre o aluno ao mesmo tempo, não excluir do processo ensino- aprendizagem as relações teoria/prática, e do cotidiano do professor e do aluno, as suas experiências vivenciais, elementos estes que poderiam e podem oferecer maior sustentação para um desempenho pedagógico mais amplo construindo uma identidade própria para Educação Infantil. [...]


[...] Nesta perspectiva, qualquer valorização do enfoque acentuado de qualquer dessas dimensões da prática docente pode fragmentar o pedagógico, a questão técnica e a política na ação pedagógica escolar. Concebe-se que o saber, o saber ser e o saber fazer devem caminhar juntos, sem perder de vista o processo educacional como um todo, pois o professor deve estar sempre a serviço do crescimento dos alunos, ou não dessa ou daquela classe social, pois sem a perspectiva integradora no ato educativo a escola perderá o seu sentido. [...]


[...] Isto deu-se através do Conselho Nacional da Educação, pela Lei de Diretrizes e Bases Educacionais para a Educação Infantil, em 7 de abril de 1999, O Educador, como mediador desse processo, tem como meta organizar os conteúdos de forma que se tenham informações de diversas áreas, sem que se separem, estudando a questão como um todo, olhando-a sob diferentes ângulos, ou seja, pontos de vista, diferentes, onde será prontamente ressaltado o devido valor do respeito ao ouvir e tentar compreender uma opinião oposta que venha a surgir no decorrer dessas ações educativas, que terão reflexos extra-escola, provavelmente. [...]

...

Estes documentos podem interessar a você

A avaliação como instrumento de partcipação democrática da vida social

 Sociedade   |  Sociologia   |  Estudo   |  05/01/2007   |  BR   |   .doc   |   74 páginas

Educação a distância e o Proeja

 Sociedade   |  Educação   |  Monografia   |  27/11/2007   |  BR   |   .doc   |   35 páginas

Mais Vendidos educação

Inspeção escolar participativa

 Sociedade   |  Educação   |  Estudo   |  10/01/2007   |  BR   |   .doc   |   28 páginas

Sexualidade na educação infantil

 Sociedade   |  Educação   |  Monografia   |  03/08/2007   |  BR   |   .doc   |   22 páginas
Compra e venda de trabalhos acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.