Search icone
Permuta de Trabalhos Acadêmicos
Garantias
Leia mais sobre as nossas garantias.

Crimes passionais

Informações sobre o autor

 
Nível
Para todos
Estudo seguido
outros
Faculdade
UNIFENAS

Informações do trabalho

Data de Publicação
Idioma
português
Formato
Word
Tipo
estudo
Número de páginas
23 páginas
Nível
Para todos
Consultado
6 vez(es)
Validado por
Comitê Facilitaja
0 Avaliaçao cliente
0
escrever um comentário
  1. Crime passional
  2. A mulher como vítima
  3. Os crimes passionais - análise histórica
    1. Aceitação da Violência
    2. Violência emocional
  4. Amor e paixão versus ódio
  5. Conclusão
  6. Referências bibliográficas

O trabalho a ser apresentado tratará da Psicologia Criminal, enfatizando os Crimes Passionais, que são os decorrentes da paixão. Pretendo analisar o crime passional pela ótica da psicologia, analisando casos passados e recentes, delimitando o liame estreito existente entre o amor e o ódio, amor e paixão, paixão e obsessão.
Cuidará dos aspectos morais, sociais e jurídicos e suas modificações ao longo dos tempos decorrentes das transformações de valores ocorridas na sociedade brasileira, a partir da década de 1960, compreendendo como o movimento feminista interferiu, durante a década de 1970, no universo jurídico brasileiro, fazendo com que fossem construídas diferentes defesas e acusações sobre este tipo de crime. Analisarei as categorias ?legítima defesa da honra? e ?passionalidade?.
Tudo, logicamente, utilizando a psicologia jurídica e os estudos da psique humana, levantando questões como Distúrbios Momentâneos e o Distúrbio da Personalidade Múltipla (DPM).
Frisando que, o trabalho a ser apresentado não se tratará de uma bandeira feminista, até porque mulheres também cometem os chamados crimes passionais, embora em menor número, a questão a ser levantada é a emoção que motiva tais crimes e até que ponto a paixão pode ser vista como um atenuante, se é que realmente pode, ou encarada simplesmente como explicação do crime. Evidentemente que há diferenças em relação a situação da mulher como autora do crime, uma vez que para esta não existe a tese de legítima defesa da honra, que embora não sendo mais aceita pelos Tribunais de Justiça, ainda é alegada, assim sendo há de se enfatizar essa desigualdade incoerente e absurda, diante do Código Penal de 1940 e também da Constituição Federal de 1988.
Em síntese, o trabalho a ser apresentado levantará os aspectos psicológicos do crime e do criminoso e de todo o contexto referente a eles, lembrando da deficiência em relação a prevenção dos crimes passionais e de como é mais produtivo esta do que a repressão do autor.
Embora não seja um tema novo, nem se trate de uma situação recente e isolada, verifica-se que não há um aprofundamento considerável e significativo nessa área, encontram-se trabalhos esparsos e algumas considerações importantes, mas não algo realmente expressivo, principalmente no campo jurídico, tento a psicologia tomado para si o interesse a esse respeito.
Todavia, como para o campo psicológico e psiquiátrico, é de suma importância que a área jurídica aprofunde-se nesse tema para que aja condição de um julgamento embasado em conhecimento, considerando pontos importantes e por muitas vezes ignorados.
Amor, ódio, orgulho ferido, sentimento de posse. Doença, vingança, maldade. Legítima defesa da honra, até que ponto essa alegação caiu mesmo por terra? Homens e Mulheres ou Homens x Mulheres, ainda vivemos numa sociedade machista? Transformações sociais e o Tribunal do Júri.
Por esses e outros questionamentos e alegações é o presente tema, tendo como proposta a compreensão das emoções que se contradizem levando uma pessoa a matar em nome de um suposto amor. Em que medida ela mesma acredita nisso e onde começa uma grande encenação usando como pretexto o amor ou desequilíbrio ou ainda o distúrbio emocional e psicológico para encobrir um ato egoísta e violento.

[...] relação a prevenção dos crimes passionais e de como é mais produtivo esta do que a repressão do autor. Embora não seja um tema novo, nem se trate de uma situação recente e isolada, verifica-se que não há um aprofundamento considerável e significativo nessa área, encontram-se trabalhos esparsos e algumas considerações importantes, mas não algo realmente expressivo, principalmente no campo jurídico, tento a psicologia tomado para si o interesse a esse respeito. Todavia, como para o campo psicológico e psiquiátrico, é de suma importância que a área jurídica aprofunde-se nesse tema para que aja condição de um julgamento embasado em conhecimento, considerando pontos importantes e por muitas vezes ignorados. [...]


[...] CONCLUSÃO Pretendeu-se questionar, através da análise dos crimes passionais, os perfis de gênero femininos e masculinos que permitiram rastrear o processo de construção e de circularidade destes perfis no discurso jurídico e no da imprensa, através do criminoso por paixão e de sua vítima e engendraram a presente investigação. Um sentimento tão profundo e cheio de devoção, de repente se desfaz e sentimentos confusos e desesperadores invadem a mente e a vida da pessoa, vem o desespero e o outro merece punição (morte). [...]


[...] Spartacus teve de deixá-la. Partiu para o combate. O exército de escravos, durante dois anos, lutou heroicamente, mas não conseguiu derrotar as forças da invencível Roma. Os prisioneiros sobreviventes só tinham um destino: morrer na cruz mais cruel de todas as mortes). Antes disso, porém, os romanos tiveram um requinte de crueldade. Dentre os sobreviventes, estavam Spartacus e Antonino. Foram colocados na Arena para uma luta mortal entre si. O vencedor morreria na cruz. Se se recusassem ao combate, a cruz seria o destino de ambos. [...]

Estes documentos podem interessar a você

Doutrinas e escolas penais

 Direito e contrato   |  Penal   |  Estudo dirigido   |  10/07/2007   |  BR   |   .doc   |   12 páginas

Últimos trabalhos psicologia

O Complexo Materno e seus Aspectos Psicológicos

 Psicologia e letras   |  Psicologia   |  Estudo   |  15/01/2012   |  BR   |   .doc   |   7 páginas

A Psicopedagogia e Sua Relação no Modelo Educacional Evidenciando o Papel da Afetividade como...

 Psicologia e letras   |  Psicologia   |  Estudo   |  28/07/2011   |  BR   |   .doc   |   17 páginas